Sergipe

Egbé: Mostra Sergipana de Cinema Negro teve início nesta quinta-feira

A quinta edição da Mostra Sergipana de Cinema Negro – Egbé teve início nesta quinta-feira, 3. Só que de uma maneira um pouco diferente, com sessões online, entre mostras, oficinas e debates que vão até dia 30 de setembro.

Em momentos conturbados como o que estamos vivendo, a arte, que sempre teve um papel importante nas nossas vidas, acaba tendo um peso muito mais relevante quando pensamos nas maneiras de atravessar uma pandemia na qual o isolamento social é imperativo para evitar a propagação do vírus.

“Desde sua primeira edição, a mostra busca abrir janelas para o cinema negro, levando essas narrativas também para o interior do estado de Sergipe, reforçando a autoestima preta das populações aonde o cinema sequer chega. A Egbé se tornou um espaço de aquilombamento, um espaço para conhecermos o que nossos cineastas têm criado, as histórias que têm contado e como essas narrativas nos ajudam a entender o lugar que ocupamos hoje”.

Sobre a 5ª edição

Nesta 5ª edição, a Mostra traz como centro da discussão o afrofuturismo no Cinema Negro. “Esse movimento que nos permite recriar o presente, recriar o passado e projetar um novo futuro através de nossa própria ótica”, diz Fábio Kabral. O objetivo principal desta edição da Egbé é proporcionar ao público narrativas em que no futuro estaremos vivos.

Além das exibições, esse ano a programação trará também atividades como masterclass sobre afrofuturismo com a Prof.ª Dr.ª Kênia Freitas, da Universidade Estadual Paulista (UNESP). Além de oficinas com debates relevantes para o cenário do cinema negro como a oficina: Por uma cítrica de cinema afrocentrada, com o professor e pesquisador Alex Santana França. Você pode fazer as inscrições clicando abaixo:

EGBÉ – Masterclass Afrofuturismo

EGBÉ- Oficina: Por uma crítica de cinema afrocentrada

Confira a lista de filmes que serão exibidos

View this post on Instagram

Olha só os filmes que vão rolar na EGBÉ 2020! 🖤 Assim como na nossa retrospectiva, os filmes serão exibidos online em parceria com a @_videocamp . Para assistir, basta acessar e se cadastrar no site (é rapidinho) e pronto é só se programar do dia 3 a 30 de setembro. Confira a lista de filmes: 2704km dir. Letícia Batista (PE) A face negra do amor dir. Tatiana Tiburcio (RJ)  A mulher do fim do mundo dir. Ana do Carmo (BA) Babá eletrônica dir. Carolen Meneses e Sidjonathas Araújo (SE) Blackout dir. Rossandra Leone (RJ) Bonde dir. Asaph Lucas (SP) CoroAção dir. Juciara Áwô e Luana Arah (RJ) Ditadura Roxa dir. Matheus Moura (MG) Do Amor à Cura dir. Camila Izidio, Karoline Maia e Jessica Gonçalves (SP) Duplo R dir. Hector Sousa (SE) Egum dir. Yuri Costa (RJ) Faixa de Gaza dir. Lúcio César (PB) Fishing Her: Mujeres de Sal dir. Ana Ana María Jessie Serna y Javier Camilo Aranguren (Colômbia) Guri dir. Adriano Monteiro (ES) Histórias de Yayá dir. Reinaldo Sant´ana (RJ) Interferência dir. Juliano Viana (RJ) Joãosinho da Goméa – O Rei do Candomblé dir. Janaina Oliveira ReFem e Rodrigo Dutra (RJ) Lealdade dir. Milena Avelar e Ana Stella Cunha (MA) Looping dir. Maick Hannder (MG) Minha historia é outra dir. Mariana Campos (RJ) Nana & Nilo em dia de sol e chuva dir. Sandro Lopes (RJ) Nove águas dir. Gabriel Martins e Quilombo dos Marques (MG) O dia que resolvi voar dir. Naira Soares (RJ) Perifericu dir. Nay Mendl, Rosa Caldeira, Stheffany Fernanda e Vita Pereira (SP) Polifonía dir. Lina Gaitán  Porque me amam dir. Poll Andrium Landazury Hurtado  Quando a Chuva Vem? dir. Jefferson Batista (PE) Rã dir. Ana Flavia Cavalcanti e Julia Zakia (SP) Receita de Caranguejo dir. Issis Valenzuela (SP) Rio das Almas e Negras Memórias dir. Taize Inácia e Thaynara Rezende (GO) Ruído Branco dir. Gabriel Fonseca (SP) SEM NOME / SEM (cem) MORTOS dir. Keila Serruya Sankofa (AM) Sendo a tespestade dir. Laura Nuwuanda (Colombia) Sorriso Negro dir. Laís Motta (SP) àprova dir. Natasha Rodrigues (SP) Ilhas de Calor dir. Ulisses Arthur (AL) O fio dir. Anti Ribeiro (PE) Aguardamos vocês 🖤 #cinemanegrosergipe #egbe2020 #cinemanegro

A post shared by Mostra de Cinema Negro (@egbesergipe) on

Em entrevista ao Negrê, a idealizadora da Egbé Luciana Oliveira falou sobre a edição. “Nossas expectativas são as maiores e nós, enquanto equipe, estamos muito ansiosos, principalmente nesta edição onde estaremos homenageando duas mulheres incríveis, como a Cristina Amaral, que montou vários filmes do cinema nacional, entre eles, o Ori. Que tem narração e texto de Beatriz Nascimento, que é nossa segunda homenageada e um dos motivos para fazer a EGBÉ acontecer”.

Luciana Oliveira, idealizadora e seu companheiro que é o produtor executivo da Mostra. Foto: Pritty Reis.

Luciana também falou sobre as dificuldades de produzir a Mostra. “Diante do cenário politico cultural que vivemos em Sergipe, conseguimos chegar aos 5 anos resistindo apesar dos problemas com financiamento público e apoios. Por outro lado, o público tem nos ajudado com financiamento coletivo, com vakinhas, então, é um ano especial para a gente e estamos ansiosos”.

Os filmes serão exibidos online em parceria com a Videocamp. Para assistir, basta acessar, realizar cadastro no site e se programar entre os dias 3 a 30 de setembro.

Foto de capa: Pritty Reis.

Compartilhe: