Tela Preta

Filme de estrada explora o doce profundo da vivência de um amor preto

O primeiro filme feito com maestria pela diretora de vídeos musicais e produtora estadunidense negra Melina Matsoukas, 39. Uma produção cinematográfica que carrega cuidados em seus mínimos detalhes vivenciados pelos protagonistas, um casal de negros. Já que ao final de toda jornada, são as vivências que ficam e que realmente importam na memória. Em um lapso de nostalgia, essas experiências ardem e brilham dentro do coração. De quem gosta de viajar e de quem é negro(a/e).

Queen & Slim (2019) pertence a um gênero do cinema, o chamado filme de estrada (road movie), e é uma narrativa de romance e drama de amor preto. O que para uns, pode ser uma utopia. E para outros, um desejo insano e alcançável. E é onde mora toda a beleza dessa obra cinematográfica. Falar e retratar sobre amor preto. A própria diretora da trama diz que a produção é uma história necessária sobre pessoas negras.

No começo da trama, já são trazidas ao espectador cenas fortes e decisivas. Na verdade, todo o desenrolar traz estas cenas a cada instante. Ao decorrer da jornada, pode-se observar diálogos e trocas que fazem parte das vivências e do drama existencial de ser negro. E quem é negro(a), certamente, vai se identificar com linguagem, postura, jeitos de ser e construção como um todo dos personagens principais.

Uma das cenas mais marcantes do longa-metragem de 2019. Foto: Divulgação.

– “É uma boa advogada?”
– “Sou uma excelente advogada”

– “Por quê os negros sentem que precisam ser excelentes? Por quê não podemos ser nós, simplesmente?”

Quanto ao posicionamento do ângulo da câmera, é feito com excelência ao mostrar quando o casal pega a estrada durante a viagem. A sensação é a de que se está viajando junto deles. As músicas que fazem parte da trilha sonora são muito bem escolhidas para compor momentos dramáticos, intimistas e reflexivos. 

Encontro

Ernest Slim (Daniel Kaluuya) e Angela Queen (Jodie Turner-Smith) se conhecem através de um encontro marcado pelo aplicativo Tinder em um restaurante cujos proprietários são negros. É perceptível um cuidado sutil com a ideia do movimento Black Money. Apesar dos dois serem negros, compartilham visões de mundo diferentes. 

Em entrevista, a diretora do filme falou que os personagens foram inspirados em dois ativistas afro americanos, que pensavam de forma distinta. Martin Luther King (1929-1968) e Malcolm X (1925-1965).

Na volta para casa, algo decisivo acontecem e muda os rumos de Queen e Slim de forma definitiva. Tendo que seguirem juntos, eles lidam com dramas e experiências da existência negra. O longa fala de cicatrizes e dramas existenciais do que é ser uma mulher preta e um homem preto na sociedade norte-americana. Do quanto o racismo é agressivo e letal para vidas negras. As várias cenas colocam o espectador para refletir e sentir.

– “O que você quer?”
– “Quero um cara que me mostre a mim mesma. Que me ame tão profundamente que eu não tenha medo de mostrar meu lado feio. Quero que ele me mostre cicatrizes que eu nunca soube que tinha. Mas não quero que ele faça com que desapareçam. Quero que ele segure minha mão enquanto eu mesma cuido delas. E quero que ele aprecie as marcas que elas deixaram.”

Foto: Andre D. Wagner.

As músicas selecionadas para a trilha sonora são certeiras. Entre elas, existe a música Collide (Colisão) dos artistas negros Tiana Major 9 e EarthGang. A letra é profunda e fala de amor, quando trata um desastre de duas pessoas se colidindo entre si como belo. E é um bonito desastre quando Queen e Slim se colidem, o que significa dizer quando seus caminhos foram cruzados. A ideia de colidir é trazida em uma das letras de uma das músicas da trilha sonora da obra. E que bonito desastre!  

Ouça essa versão de Collide:

Entre outras definições, Queen & Slim é, de fato, um filme que causa apreensão a cada instante, pois não se sabe o que pode acontecer ao final da jornada. O que será que há de vir?

Veja o trailer e se prepare para a viagem mais íntima:

– “Eu nunca vou largar sua mão.”
– “Se eu tivesse a chance, teria beijado todas as suas cicatrizes.”
– “Eu sei que teria. Eu posso ser o seu legado?”
– “Mas você já é…”

Ficha técnica

Queen & Slim
Ano: 2019
País de origem:
Estados Unidos da América (EUA)
Formato:
Filme (road trip)
Gênero: Filme de estrada / Drama / Romance
Classificação: 15 anos
Duração:
132 minutos
Direção:
Melina Matsoukas
Roteiro: Lena Waithe
Elenco: Daniel Kaluuya, Jodie Turner-Smith, Bokeem Woodbine, Chloë Sevigny, Pulga, Sturgill Simpson e Indya Moore
Produção: Lena Waithe, Melina Matsoukas, Michelle Knudsen, Andrew Coles, Brad Weston e Pamela Abdy
Música: Dev Hynes
Distribuição: Universal Pictures
Disponível: Stremio, Telecine Play e aqui!

Fotos de divulgação do filme: fotógrafo negro americano Andre D. Wagner. 

Compartilhe: