Atlântico Notícias

Instituto DIS e Dharma realizam o Projeto Angola 2024 em Luanda e Lubango

O Instituto Dharma junto ao Instituto DIS – Diversidade e Inclusão em Saúde realizam o Projeto Angola 2024 entre os dias 23 de fevereiro e 4 de março, nas cidades de Luanda e Lubango, em Angola. A viagem médica tem como objetivo principal levar médicos brasileiros para prestar atendimentos de saúde à população angolana em áreas mais afastadas dos postos e centros de saúde. Para realizar a ação com sucesso, os Institutos ainda recebem doações através do PIX – CNPJ: 27.880.494/0001-00.

Esse programa de voluntariado médico tem como um de seus principais objetivos levar médicos negros e não-negros do Brasil para assistir a população em Angola. O intuito é alcançar cerca de 60% das pessoas que vivem em regiões mais afastadas nas duas cidades, com consultas, orientações, entrega de suprimentos e encaminhamentos médicos, atendendo através de uma medicina mais humana, inclusiva e diversa.

A viagem humanitária tem ainda como propósito unir médicos negros brasileiros e angolanos no intuito de priorizar o bem-estar de pacientes negros ao serem atendidos por esses profissionais negros. É por isso que o Instituto DIS promoveu uma campanha para custear a ida de médicos negros brasileiros ao país africano, pensando na importância desse cuidado. “Eu escolhi ser médico pra poder impactar pessoas e mudar histórias e vidas. Nunca existiu um cuidado sem pensar em pessoas, sem pensar em empatia. Como eu gostaria de ser tratado, como eu gostaria que pessoas que são da minha família, próximas e queridas também sejam tratadas”, afirma o médico togolês Fleury Johnson, fundador do Instituto DIS.

LEIA TAMBÉM: Conheça o médico clínico-geral Fleury Johnson fundador do Instituto DIS

“É paixão… É olhar pro outro, ouvir, escutar, aliviar. Talvez seja pra mim a tradução do que é amor, do que eu posso fazer todos os dias por quem tá ali, precisando de alguma coisa”. É o que diz a médica pediatra Mariana Sochaczewski, coordenadora do Projeto Angola 2024 através do Instituto Dharma, organização à frente da excursão médica.

Foto: Divulgação.

Eu acredito na medicina indo até os seres humanos assim como a educação. Pra mim, é muito importante que uma medicina de qualidade chegue a todas as pessoas do mundo em qualquer lugar. Então, isso virou um projeto realmente de vida. É onde os meus olhos brilham de verdade, é onde eu sou uma pediatra a cada atendido, a cada pessoa. É onde eu me renovo. É impossível pensar numa medicina que não seja diversa”, acrescenta a médica Mariana Sochaczewski.

LEIA TAMBÉM: Conheça o Instituto DIS – Diversidade e Inclusão na Saúde

Sobre o Projeto Angola 2024, a gestora de projetos e especialista em inclusão e co-fundadora do Instituto DIS, Bárbara Azevedo, pontua. “É necessário e transformador fomentar um voluntariado consciente e sensível à diversidade social, cultural e intelectual nos diferentes territórios do mundo. A saúde da população negra é uma demanda global e deve ser tratada com compromisso e em rede”.

A meta de arrecadação de recursos financeiros para a realização do projeto é de R$ 50 mil. Logo, os Institutos seguem recebendo as doações para o custeio da ação de 10 dias do voluntariado médico.

LEIA TAMBÉM: Viajantes brasileiros terão isenção de visto de turismo para Angola

Saiba como doar!

As doações podem ser feitas através da chave PIX – CNPJ: 27.880.494/0001-00 (Instituto Dharma)

Acompanhe os Institutos!

Instituto DIS

Site – www.institutodis.com
Contato – contato@institutodis.com.br
Instagram – @institutodis 
LinkedIn – Instituto DIS
Banco de Talentos – Inscreva-se aqui!
Doações pela chave PIX:
 CNPJ – 46.849.680/0001-13
Doações pelo PayPal: Clica aqui!

Instituto Dharma

Site – www.institutodharma.org
Contato – (11) 93356-4635 / projetos@institutodharma.org
Instagram – @instituto_dharma 
LinkedIn – Instituto Dharma
Doações pela chave PIX:
 CNPJ – 27.880.494/0001-00
Doações pela plataforma Pagseguro: Faça sua doação!

Foto de capa: Divulgação.

LEIA TAMBÉM: A luta anticolonial em Angola: o antagonismo da Guerra Fria sob uma perspectiva africana

Inscreva-se na newsletter do Negrê aqui!

Compartilhe: